O papel do CLO

As atribuições do profissional que trabalha estrategicamente pelo sucesso da empresa por meio da capacitação dos colaboradores

Num futuro não tão distante, o mercado exigirá que as pessoas se desenvolvam numa velocidade bem acima do que hoje achamos natural. Antecipando essa transformação, os líderes de diferentes áreas já buscam desenvolver suas equipes para aproveitar o que há de melhor nos colaboradores e, assim, obter resultados para suas organizações. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

e-Learning: aprendizagem, resultados e inclusão social

Conheça um pouco da história da cultura da alta performance

Quando uma empresa investe em programas de treinamento, ela trabalha principalmente por um mercado mais capacitado, com profissionais de peso, integração, inclusão social e, claro, melhores resultados. Todos esses fatores (aprendizagem, desempenho, resultados e inclusão) caminham juntos e, no Brasil, desde 1995, passaram a ser pontos de atenção para as instituições.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Recebendo estrangeiros

As melhores ações do RH para a integração de colaboradores globais

É grande o número de estrangeiros que imigram para o Brasil. Entre os anos 2011 e 2013, o número de imigrantes no mercado de trabalho formal aumentou 50,9%, conforme indica o dossiê especial intitulado A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro, publicação divulgada em 2015 no site do Ministério do Trabalho.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Tecnologias de colaboração

Aspectos favoráveis e pontos de atenção das ferramentas de apoio das redes de conhecimento

Destacamos em posts anteriores o trabalho das comunidades do aprendizado e de maneira similar a elas, as redes de conhecimento também reúnem pessoas virtualmente. A diferença entre os dois formatos é que as redes são mais informais e crescem organicamente, afinal, toda pessoa mantém algum “facilitador para o alto desempenho”, contatos para recorrer em caso de dúvidas e outras necessidades. Não entendeu? Marc J. Rosenberg explica: 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Gestão da mudança

Aspectos importantes para empreender a mudança e torná-la duradoura

Quando uma empresa decide mudar seus processos e capacitar seus colaboradores, com o objetivo de conquistar alta performance, ela precisa dar o primeiro passo e rever todas as suas ações. Essa não é uma tarefa simples, já que empreender a mudança e torná-la duradoura não depende apenas de novos métodos e tecnologia. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Fatores determinantes para o sucesso de comunidades do aprendizado

Não basta que as pessoas depositem conteúdos online. Elas precisam participar ativamente, disponibilizando conhecimento e tempo para gerar valor

As comunidades do aprendizado, também conhecidas como comunidades do conhecimento, funcionam como uma rede voltada à alta performance das organizações. Conforme destacamos no post Comunidades do Aprendizado, elas proporcionam o intercâmbio de informações e ajudam no processo de retenção de conhecimento e aplicação efetiva no negócio. 

No entanto, o sucesso dessas comunidades não acontece da noite para o dia. Isso porque não basta que as pessoas depositem conteúdos em uma plataforma online. Elas precisam participar ativamente, disponibilizando conhecimento e tempo para gerar valor. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Análise de desempenho: determine a exata natureza de problemas e oportunidades

"Sem entender totalmente as causas básicas do problema de desempenho, qualquer solução que você apresente pode ser prematura", Marc J. Rosenberg

Antes de pensar em um conjunto de soluções para melhorar o desempenho de seus colaboradores, é preciso fazer uma análise do mesmo. Isso porque uma análise de desempenho ajudará a determinar a exata natureza do problema ou da oportunidade de performance. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Você realmente sabe engajar?

Engajamento não é motivação e depende muito mais de um processo cognitivo do que emocional

Cancelamento ou adiamento de projetos estratégicos, falta de propostas de inovação, queda no padrão de qualidade de serviços e produtos: a escassez de talentos pode causar impactos significativos nas organizações. Por conta disso, é crescente a preocupação dos gestores para propor atrativos e, assim, além de reter, motivar seus colaboradores de destaque.

Contratação de palestrantes motivacionais, bônus e prêmios como viagens são algumas das estratégias utilizadas, mas o que os gestores não têm percebido é que engajamento não é motivação. “A motivação da sexta não resolve os problemas da segunda e da terça”, comenta Eduardo Carmello, diretor da consultoria Entheusiasmos, especializada em geração de valor através de orientação, incentivo e capacitação do capital humano nas organizações.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Empresas inteligentes

Um bom desempenho não depende somente de seus talentos

A pergunta a seguir pode parecer estranha, mas você sabe dizer se sua empresa é inteligente? Sabemos que há pessoas inteligentes dentro das organizações atuando em diferentes áreas e posições. De cientistas a vendedores, tais profissionais que acumulam anos de experiência prática e estudo. Mas ter funcionários brilhantes não é garantia de inteligência empresarial ou de um bom desempenho.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Programas para acabar com a baixa performance

Soluções que ajudarão a motivar seu time de colaboradores

Apenas 13% dos profissionais são comprometidos e sentem-se engajados para a realização de atividades nas empresas em que atuam, é o que aponta o instituto de pesquisa internacional Gallup, com base em uma pesquisa realizada com colaboradores em 142 países. Em outro levantamento mais segmentado, divulgado em abril deste ano, o instituto verificou que apenas 35% das pessoas em cargos de gerência nos Estados Unidos sentem-se motivadas em seus trabalhos.

Bem abaixo do esperado pelo mercado, esses percentuais assustam a qualquer gestor de RH ou empregador, visto que, cada vez mais, as instituições preocupam-se com a realização de seus funcionários, o que inclui, o prazer em praticar suas atividades diárias, a busca por novos desafios e o crescimento pessoal e profissional. Sem esses “requisitos”, a qualidade do trabalho pode cair, afetar outros colaboradores e, com isso, todos saem perdendo, inclusive, a empresa.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter