Como implementar o Blended Learning

Para uma implementação de excelência, realize planejamento detalhado, combine algumas das melhores práticas de aprendizagem e fique atento às ferramentas de suporte

O Blended Learning ou aprendizado híbrido designa a forma de aprendizado em que os cursos são ministrados por meio da fusão de ensino a distância e presencial. Ele só foi possível graças ao avanço das tecnologias digitais de informação e comunicação, que proporcionaram a colaboradores e instrutores, entre outras vantagens, mais flexibilidade e autonomia. 

Para implementá-lo em sua organização, você deve pensar em fazer um bom planejamento, combinar algumas das melhores práticas de aprendizagem e ficar atento às ferramentas de suporte ao aprendizado e desempenho. Confira algumas dicas que selecionamos para ajudá-lo nessa missão!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aprendizagem Self-Service

Acesso fácil, rápido, da forma como o colaborador prefere e no seu tempo, os resultados dessa somatória de possibilidades têm sido cada vez mais satisfatórios para as organizações e seus talentos

A tecnologia tem fortalecido o autosserviço, amplamente adotado pela população para adquirir diversos tipos de produtos e serviços. Com o aprendizado não é diferente. Conforme aponta o especialista Nick van Dam, em seu livro 25 Melhores práticas em aprendizagem e desenvolvimento de talentos, à medida que as pessoas se tornam cada vez mais experientes na utilização de tecnologia e de recursos online, a “aprendizagem self-service” é vista como elemento de muito valor, que auxilia no processo de redução de custos das organizações.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

O que o e-Learning pode fazer para "levantar" seus colaboradores

Há diversas razões para que os colaboradores fiquem frustrados com um e-Learning, saiba como evitá-las

Você pensa em todos os detalhes para elaborar um treinamento online fantástico e, em vez de conquistar o time, percebe desistências, profissionais que realizam treinamentos por mera formalidade e falta de entusiasmo com o material. Situação complicada, porém, muito comum no ambiente corporativo. O que é extremamente perigoso, já que a frustração pode levar ao abandono de metas e objetivos traçados por colaboradores em parceria com seus líderes. Resultado, queda de performance.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como criar um e-Learning realmente engajador

Ideias simples e efetivas de como elaborar cursos online mais interessantes aos olhos da audiência

Pense em todas as possibilidades que temos para buscar informações: áudios e vídeos disponibilizados online, livros, apostilas, contato com profissionais mais experientes, professores, fóruns e comunidades virtuais, entre tantos outros meios. 

Diante desse contexto, o profissional responsável pela estratégia de aprendizado de uma organização precisa pensar em novas soluções – cursos que fisguem a atenção da audiência e agreguem valor para esses colaboradores, de maneira que eles mantenham o foco nos conteúdos e realmente compreendam a mensagem que precisa ser transmitida.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Alta Performance: invista no fortalecimento da cultura empresarial

Estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir na cultura empresarial

Na semana passada, tivemos um post sobre treinamentos e conexões globais, que tratou da preocupação das instituições em capacitar seus colaboradores estruturando uma estratégia de treinamento ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais (idioma, costumes, legislação e outras particularidades) e às necessidades do time. 

No texto de hoje, reforçamos a ideia de que estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir (muito) na cultura empresarial. Para exemplificar, usamos uma citação de Marc Rosenberg na obra Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como criar treinamentos e conexões globais

Os gestores responsáveis por desenvolvimento humano devem pensar em uma estratégia que esteja ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais e as necessidades do time

Com profissionais distribuídos por todas as partes do mundo, é cada vez maior o número de companhias que investem em novas formas de treinamento e capacitação para o time de colaboradores. 

Tal fato já é inclusive demonstrado por instituições especializadas em análise de mercado, como a associação de negócios e pesquisa global The Conference Board. De acordo com Charles Mitchell, diretor-executivo de conteúdo de conhecimento e qualidade da entidade, o levantamento CEO’s Top Challenges 2015, realizado com cerca de mil líderes corporativos em todo o mundo, indicou que a atenção dos executivos está voltada para as habilidades e competências dos colaboradores (desenvolvimento e capacitação), além do engajamento e, claro, a questão da inovação.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aprendizado: sua empresa está preparada para o e-Learning?

Você e sua organização estão mesmo preparados para executar satisfatoriamente o e-Learning?

Entre os nove sinais de alerta do e-Learning listados por Marc Rosenberg no livro Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional, o especialista aponta a mínima expertise em e-Learning como um fator preocupante nas organizações.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

e-Learning + tablet: como criar um material interessante e de fácil acesso

Conheça os principais elementos considerados para a criação de cursos e treinamentos que serão acessados pelos colaboradores via tablet

A tecnologia móvel promete revolucionar ainda mais a maneira como vivemos e aprendemos. As pessoas estão mais conectadas e o uso de dispositivos móveis vive um processo de popularização jamais visto. 

De acordo com dados da mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio 2014 (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada no dia 13 de novembro, o Brasil ganhou 9,8 milhões de novos internautas entre 2013 e 2014. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter