Jogos instrucionais: inovação para seus treinamentos

Ao utilizar jogos e simulações como parte de sua estratégia educacional, a empresa investe em métodos muito mais prazerosos e engajadores para seus colaboradores atingirem metas e objetivos

Os jogos instrucionais propõem às pessoas a emoção do desafio, do conflito, da busca por novos caminhos para solucionar questões. As etapas e metas fazem com que elas experimentem uma nova maneira de aprender, explorando o sistema a fim de vencê-lo. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como implementar o Blended Learning

Para uma implementação de excelência, realize planejamento detalhado, combine algumas das melhores práticas de aprendizagem e fique atento às ferramentas de suporte

O Blended Learning ou aprendizado híbrido designa a forma de aprendizado em que os cursos são ministrados por meio da fusão de ensino a distância e presencial. Ele só foi possível graças ao avanço das tecnologias digitais de informação e comunicação, que proporcionaram a colaboradores e instrutores, entre outras vantagens, mais flexibilidade e autonomia. 

Para implementá-lo em sua organização, você deve pensar em fazer um bom planejamento, combinar algumas das melhores práticas de aprendizagem e ficar atento às ferramentas de suporte ao aprendizado e desempenho. Confira algumas dicas que selecionamos para ajudá-lo nessa missão!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aprendizagem Self-Service

Acesso fácil, rápido, da forma como o colaborador prefere e no seu tempo, os resultados dessa somatória de possibilidades têm sido cada vez mais satisfatórios para as organizações e seus talentos

A tecnologia tem fortalecido o autosserviço, amplamente adotado pela população para adquirir diversos tipos de produtos e serviços. Com o aprendizado não é diferente. Conforme aponta o especialista Nick van Dam, em seu livro 25 Melhores práticas em aprendizagem e desenvolvimento de talentos, à medida que as pessoas se tornam cada vez mais experientes na utilização de tecnologia e de recursos online, a “aprendizagem self-service” é vista como elemento de muito valor, que auxilia no processo de redução de custos das organizações.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

O que o e-Learning pode fazer para "levantar" seus colaboradores

Há diversas razões para que os colaboradores fiquem frustrados com um e-Learning, saiba como evitá-las

Você pensa em todos os detalhes para elaborar um treinamento online fantástico e, em vez de conquistar o time, percebe desistências, profissionais que realizam treinamentos por mera formalidade e falta de entusiasmo com o material. Situação complicada, porém, muito comum no ambiente corporativo. O que é extremamente perigoso, já que a frustração pode levar ao abandono de metas e objetivos traçados por colaboradores em parceria com seus líderes. Resultado, queda de performance.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como criar um e-Learning realmente engajador

Ideias simples e efetivas de como elaborar cursos online mais interessantes aos olhos da audiência

Pense em todas as possibilidades que temos para buscar informações: áudios e vídeos disponibilizados online, livros, apostilas, contato com profissionais mais experientes, professores, fóruns e comunidades virtuais, entre tantos outros meios. 

Diante desse contexto, o profissional responsável pela estratégia de aprendizado de uma organização precisa pensar em novas soluções – cursos que fisguem a atenção da audiência e agreguem valor para esses colaboradores, de maneira que eles mantenham o foco nos conteúdos e realmente compreendam a mensagem que precisa ser transmitida.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Alta Performance: invista no fortalecimento da cultura empresarial

Estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir na cultura empresarial

Na semana passada, tivemos um post sobre treinamentos e conexões globais, que tratou da preocupação das instituições em capacitar seus colaboradores estruturando uma estratégia de treinamento ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais (idioma, costumes, legislação e outras particularidades) e às necessidades do time. 

No texto de hoje, reforçamos a ideia de que estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir (muito) na cultura empresarial. Para exemplificar, usamos uma citação de Marc Rosenberg na obra Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Como criar treinamentos e conexões globais

Os gestores responsáveis por desenvolvimento humano devem pensar em uma estratégia que esteja ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais e as necessidades do time

Com profissionais distribuídos por todas as partes do mundo, é cada vez maior o número de companhias que investem em novas formas de treinamento e capacitação para o time de colaboradores. 

Tal fato já é inclusive demonstrado por instituições especializadas em análise de mercado, como a associação de negócios e pesquisa global The Conference Board. De acordo com Charles Mitchell, diretor-executivo de conteúdo de conhecimento e qualidade da entidade, o levantamento CEO’s Top Challenges 2015, realizado com cerca de mil líderes corporativos em todo o mundo, indicou que a atenção dos executivos está voltada para as habilidades e competências dos colaboradores (desenvolvimento e capacitação), além do engajamento e, claro, a questão da inovação.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aprendizado: sua empresa está preparada para o e-Learning?

Você e sua organização estão mesmo preparados para executar satisfatoriamente o e-Learning?

Entre os nove sinais de alerta do e-Learning listados por Marc Rosenberg no livro Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional, o especialista aponta a mínima expertise em e-Learning como um fator preocupante nas organizações.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter