O impacto das múltiplas inteligências no e-Learning

Estratégias e técnicas específicas podem ser a resposta para o sucesso de seus treinamentos

Você já ouviu falar da Teoria das Inteligências Múltiplas? Formulada pelo psicólogo norte-americano Howard Gardner na década de 1980, essa teoria causou um grande impacto na área educacional. 

De acordo com o estudioso, além das habilidades linguística e lógico-matemática, há outras seis formas de inteligência: espacial (interpretação e reconhecimento de fenômenos que envolvem movimentos e posicionamento de objetos), corporal-cinestésica (grande capacidade de utilizar o corpo para se expressar ou em atividades artísticas e esportivas); interpessoal (representada pela capacidade de compreensão dos sentimentos do outro); intrapessoal (expressa pelo autoconhecimento); naturalística (voltada para a análise e compreensão dos fenômenos da natureza) e musical. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Regras de ouro das redes sociais para profissionais de e-Learning

Não basta criar uma série de perfis para marcar presença na rede, é preciso oferecer valor 

Independentemente se você trabalha em uma divisão de treinamento ou no setor de recursos humanos, se o seu interesse é melhorar a performance do time de colaboradores, já deve ter percebido a necessidade de mergulhar nas redes sociais. 

Além de gerar material de pesquisa e ideias de projetos para novos cursos, principalmente em formato e-Learning, essas plataformas podem ser um excelente termômetro tanto para medir o impacto de seus treinamentos (se estão sendo assertivos e já geram resultados para a organização) quanto para examinar sua reputação como marca no mercado, entre funcionários, clientes e outros seguidores.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Cinco passos para criar um treinamento único

O que fazer para desenvolver algo diferenciado e fisgar a atenção de seus colaboradores

Assumir o modo “linha de produção” na criação de treinamentos pode acontecer com qualquer um por conta das muitas demandas, da correria do dia a dia e até da falta de estrutura. Pode, mas não deve. Um conteúdo desinteressante fará com que o seu pessoal perca foco, tempo e não assimile as ideias propostas.

Por isso a importância de contar com uma boa equipe de tecnologia e de conteúdo, afinal, para que seus colaboradores apliquem o conhecimento adquirido em suas atividades diárias, eles precisam antes entender e relacionar os conceitos à realidade. Sabe como conseguir isso? Unindo interatividade à criatividade. Confira o passo a passo!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Simplifique com e-Learning

Entenda como o e-Learning pode facilitar o processo de aprendizado de seus colaboradores

Aprendemos e desenvolvemos novas habilidades todos os dias. Isso é o que recicla nossas ideias e nos faz evoluir. É dessa forma também que nos preparamos para encarar os desafios do dia a dia e aproveitar as oportunidades.
 
No campo do aprendizado, o e-Learning destaca-se como uma das melhores ferramentas atuais. Isso por conta da interatividade que esse formato de curso proporciona aos participantes. Imagens, linksgames, vídeos, recursos de áudio – em especial comandos de voz, que ajudam a encorajar a audiência – só deixam o processo de aprendizado mais interessante e fisgam a atenção dos participantes. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Vídeos interativos

Além de conteúdo específico, voltado às necessidades de seus colaboradores, a qualidade e os recursos do player de vídeo influenciam o desenvolvimento de um bom material

O uso de vídeo em e-Learning passou a ter um papel importante na forma do colaborador aprender e reter informações. Estudos demonstram que a aprendizagem com o auxílio do vídeo aumenta a taxa de retenção. Mas o que torna um vídeo interessante em e-Learning? Esse é um dos grandes desafios de desenvolvedores e empresas. Afinal, não é porque está em formato vídeo e online que um curso se tornará automaticamente dinâmico, interativo e engajador.
 

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Aprendizado na palma da mão

Estratégias para o sucesso de seu mobile learning

Graças à internet e ao avanço tecnológico dos dispositivos móveis, pessoas de todas as partes do mundo já estão mais que conectadas, compartilhando experiências e conhecimento em qualquer horário e de qualquer lugar, seja escritório, parque ou até avião. 

Assim como a forma de manter-se conectado está mudando, o aprendizado segue o mesmo caminho. O mobile learning já é tendência crescente nas organizações uma vez que só aumenta o número de colaboradores que utilizam seus dispositivos móveis (smartphones e tablets) para aprender, trabalhar e expandir seus horizontes.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Destaque seu conteúdo

Estratégias da área de marketing, as funções “‘call to action” podem ser aplicadas em cursos online

Quando o assunto é treinamento em e-Learning, os gestores do aprendizado precisam desdobrar-se para envolver os participantes e proporcionar a eles uma experiência empolgante e efetiva. Nesse processo de inovação e busca por engajamento, alguns conceitos da área de marketing acabaram ganhando destaque no campo do ensino.

O CTA (call to action) ou “chamada à ação” é um ótimo exemplo a ser citado. Ao navegar pela internet, frequentemente observamos e clicamos em links ou funções de uma página que nos levam a realizar ações, seja comprar, obter mais informações, preencher cadastros. Esse recurso que, aparentemente, tem aplicação apenas comercial também pode ser utilizado em conteúdos no formato e-Learning. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Soluções integradas de aprendizado

A evolução do aprendizado híbrido e os fatores que, juntos, garantem eficiência às organizações

No post anterior tratamos dos temas: treinamento em sala de aula e treinamento online. Destacamos os pontos fortes e limitadores de cada modelo, pensando nas aplicações para diferentes tipos de empresas e necessidades, e chegamos a mencionar que o aprendizado híbrido tornou-se viável para as organizações. O motivo? Sua rápida evolução.

Com o tempo, muitas empresas perceberam que integrar as soluções é melhor do que apostar todas as fichas em um único modelo de aprendizado para seus colaboradores. Conforme cita Marc J. Rosenberg, durante a bolha da Internet, quando a Lucent Technologies estava em ascensão, a companhia conseguia sustentar os custos dos treinamentos em sala de aula. A partir do momento em que precisou “apertar o cinto”, a empresa reverteu seus planos e passou a ministrar mais de 90% de seu treinamento no modo online. Após um período de testes, a empresa constatou que a dependência excessiva de uma estratégia de fornecimento não era econômica e efetiva. Dessa forma, estabeleceu que 65% do treinamento seria feito em sala de aula e 35%, online.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Especificidades do treinamento em sala de aula e do treinamento online

A escolha pelo tipo de treinamento deve ser feita com base nas necessidades da empresa


Geralmente as empresas têm dúvidas sobre o melhor tipo de treinamento para seus colaboradores – em sala de aula ou online. Os dois modelos possuem características distintas, com funções e limitações, e podem atuar de forma complementar. Diferentes fatores influenciam a escolha, entre eles, o tipo de empresa, a quantidade de colaboradores e, claro, o tempo e a verba disponíveis.


Leia mais...



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter

Questão de tempo

Como é calculada a duração de um curso em formato e-Learning

Alguns gestores não se atentam a esse detalhe, mas além da preocupação com o conteúdo e com o processo de aprendizado, o tempo é um elemento importantíssimo para a elaboração de um curso em formato e-Learning. Isso porque com a estimativa do período usado para capacitação, temos uma ideia do tempo que o colaborador deixará de investir em suas atividades de trabalho. Para que não haja prejuízos, pressão ou, até o contrário, momentos ociosos que desestimulem o colaborador, esse tempo de “parada” deve ser bem avaliado.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter