Gestão estratégica do capital humano

Organizações que investem em capital humano conseguem reter colaboradores e reduzir os custos de recrutamento e seleção. Elas ainda contam com mão de obra atualizada sobre o que há de mais eficiente e inovador no mercado

“Pelo menos sete milhões de empregos podem ser perdidos nos próximos cinco anos pelas transformações que a economia mundial sofrerá, e que o Fórum Econômico Mundial chamou de ‘quarta revolução industrial’”, aponta reportagem do portal Exame.

Segundo o relatório apresentado pela entidade que organiza o Fórum, a chamada quarta revolução – era da inteligência artificial, robótica, nanotecnologia e impressão 3D – cortará milhões de postos de trabalho. "Sem uma ação urgente e específica para organizar a transição e contar com trabalhadores com a formação necessária, os governos terão que lidar com mais desemprego e mais desigualdade", indicou Klaus Schwab, diretor do Fórum, de acordo com a reportagem.
 
Apesar de tais perdas serem “compensadas” com a criação de dois milhões de novos empregos nas áreas de computação, engenharia, arquitetura e matemática, é evidente que funcionários e empregadores precisam estar atentos à necessidade de treinamento e capacitação.

Organizações que investem em capital humano conseguem reter colaboradores e reduzir os custos de recrutamento e seleção. Elas ainda passam a contar com mão de obra atualizada sobre o que há de mais eficiente e inovador no mercado. Como resultado, conseguem implementar melhorias em seus produtos e serviços e tornam-se competitivas em relação à concorrência.

A gestão estratégica do capital humano prevê oito principais práticas utilizadas nas organizações de alta performance. Fique atento a elas e reinvente a estratégia de sua empresa!

1| Assegurar o alinhamento estratégico
Alinhamento das ações de todos os indivíduos de uma organização. As estratégias devem ser desdobradas em objetivos (desafiadores – mas factíveis) que desçam pela estrutura e orientem o trabalho de cada um dos indivíduos e equipes.

2| Contratar com base em competências e valores
O impacto de um processo de contratação adequado é sentido na redução do tempo de setup dos novos colaboradores, na retenção e na melhor adequação aos requisitos para progressão de carreira, com reflexos positivos nos resultados do negócio.

3| Gerir efetivamente a performance
Pesquisas nacionais e internacionais constataram que as organizações de alta performance aplicam em seus processos de gestão e avaliação de desempenho, pelo menos, uma das melhores práticas. Confira o detalhamento de cada uma delas no eBook “Aplicação das Melhores Práticas de Gestão de Performance e Percepção sobre os Obstáculos ao Desempenho – Uma visão Latino-americana”, 6ª Edição - 2015.

4| Desenvolver competências permanentemente
A prática de avaliação constante das competências críticas para o negócio (e sua identificação na estrutura organizacional) aponta os gaps de desenvolvimento, permitindo a promoção de iniciativas para o seu desenvolvimento que vão além da capacitação: envolvem ações que possibilitam o melhor aproveitamento das aptidões de cada indivíduo, incluindo sua correta alocação e seu engajamento aos objetivos de negócio.

5| Multiplicar as oportunidades de aprendizado
Há um ganho efetivo na aprendizagem quando se multiplicam as oportunidades de aprender durante as atividades de trabalho, utilizando-se recursos baseados fortemente nos conceitos de Gestão do Conhecimento (repositórios acessíveis por meio das ferramentas de busca, comunidades e redes, especialistas acessíveis por especialidades, etc.); recursos de suporte ao desempenho, action learning e iniciativas de coaching e mentoring.

6| Assegurar a progressão de carreira e a meritocracia
Oferecer oportunidades de progressão na carreira, estabelecendo claramente os requisitos para tal, promove o engajamento e a retenção dos talentos, resultando em maiores níveis de performance.

7| Aportar conhecimento e expertise externos quando necessário
Consultorias especializadas podem aportar o conhecimento e a expertise necessários ao projeto e também realizar diagnósticos que assegurem a assertividade das ações planejadas, suportando as iniciativas de Gestão de Mudanças (identificação de impactos, comunicação, redução de resistências etc.).

8| Utilizar tecnologia com sabedoria
O planejamento da infraestrutura tecnológica deve ser orientado pelos resultados de negócios que se buscam obter, incluindo informações para a tomada de decisões estratégicas, informações administrativas e operacionais.

Para conhecer as melhores práticas, exemplos do que está sendo aplicado nos mercados nacional e internacional, bem como os resultados das mais recentes pesquisas no campo de learning e performance, faça o download do eBook do Prêmio Learning & Performance Brasil 2015/2016

Não perca a oportunidade de aprimorar os negócios de sua organização investindo nos talentos!

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter
Loading