Hora da pausa

Como o ócio criativo estimula o bem-estar e, consequentemente, a produtividade dos colaboradores

Seja no escritório, em clientes ou fazendo home office, cada vez mais, as pessoas passam a maior parte do tempo trabalhando ou pensando em trabalho. Não apenas para garantir o sustento, mas para sentirem-se úteis, produtivas, em ação. 

Não há problema em amar o trabalho, pelo contrário. É, inclusive, bom para a saúde desempenhar uma atividade motivadora, que dê satisfação. A questão é que as pessoas sentem-se mal quando param e esse peso na consciência faz com que fique difícil desligar o celular ao chegar em casa, cumprir uma hora completa de almoço ou fazer a sesta (mesmo aos sábados e domingos).




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura da inovação

As pessoas precisam ser estimuladas e treinadas para contribuírem com ideias

Para acompanhar a revolução tecnológica, os profissionais buscam formas de adaptação e superação no mercado de trabalho. Larry Page, presidente e cofundador do Google adiantou em uma entrevista ao jornal americano The Financial Times, no final de 2014, que 90% do trabalho feito atualmente por humanos será realizado por robôs em alguns anos. 

Certo ou errado, Page nos direciona a um dos temas mais comentados do momento: a inovação. Como até agora não temos registros de máquinas criativas ou inovadoras, esse campo ainda é de domínio do homem – ainda bem! Mas o que faz um profissional ser inovador? Há técnicas para estimular essa característica? Como trabalhar a inovação e fazer dela um diferencial em uma empresa? 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Por reuniões mais produtivas

Dicas que irão fazê-lo ganhar tempo e garantir qualidade de suas reuniões

Quem nunca ouviu a ideia de que fazer reunião é a melhor forma para matar tempo? Quando em excesso, para discutir todo tipo de assunto e sem objetivos claros, as reuniões realmente podem atrapalhar o andamento do trabalho e parecerem sem fundamento. 

No entanto, reuniões são necessárias para o acompanhamento de atividades e processos realizados em uma empresa. O que faz das reuniões produtivas ou não são ações simples. Selecionamos algumas dicas para ajudá-lo a manter a objetividade durante esses encontros. Tome nota e pratique! 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Formando líderes

Entenda como funciona um programa de desenvolvimento de liderança estendido

Alguns têm perfil mais liberal, outros são controladores, podem ser generalistas ou especialistas, reservados ou extremamente comunicativos. Existem diversos perfis de liderança moldados por fatores pessoais e externos, a partir de experiências adquiridas desde o começo da vida e da carreira de cada indivíduo. Mas o mais importante ao contratar e, principalmente, trabalhar a formação de um líder é ter em mente que ele será responsável, entre outras atividades, por motivar outros colaboradores, ouvi-los e saber administrar o interesse de cada funcionário a favor do time e da organização.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Programas para acabar com a baixa performance

Soluções que ajudarão a motivar seu time de colaboradores

Apenas 13% dos profissionais são comprometidos e sentem-se engajados para a realização de atividades nas empresas em que atuam, é o que aponta o instituto de pesquisa internacional Gallup, com base em uma pesquisa realizada com colaboradores em 142 países. Em outro levantamento mais segmentado, divulgado em abril deste ano, o instituto verificou que apenas 35% das pessoas em cargos de gerência nos Estados Unidos sentem-se motivadas em seus trabalhos.

Bem abaixo do esperado pelo mercado, esses percentuais assustam a qualquer gestor de RH ou empregador, visto que, cada vez mais, as instituições preocupam-se com a realização de seus funcionários, o que inclui, o prazer em praticar suas atividades diárias, a busca por novos desafios e o crescimento pessoal e profissional. Sem esses “requisitos”, a qualidade do trabalho pode cair, afetar outros colaboradores e, com isso, todos saem perdendo, inclusive, a empresa.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

5 motivos para implementar a gestão de desempenho


Por que as empresas devem fazer a gestão de desempenho? Listamos abaixo 5 benefícios:

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 7: Meritocracia


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o sétimo ponto, a Meritocracia.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 6: Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o sexto ponto, o Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 5: Execução


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o quinto deles, a Execução.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 4: Métricas e Indicadores bem definidos

Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o quarto deles, as Métricas e Indicadores bem definidos.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+