Por que investir em treinamento de liderança?

Um bom (ou mau) gestor afeta a performance de sua equipe, o que inevitavelmente é refletido nos resultados da organização

As organizações que investem em treinamentos e capacitações de liderança conseguem reter colaboradores e reduzir os custos de recrutamento e seleção. Isso porque o líder é responsável por engajar outros profissionais do time, ouvi-los e saber administrar os interesses e as potencialidades de cada um em favor do negócio.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Alta Performance: definição de metas e objetivos

Metas e objetivos devem ser definidos até antes da contratação do profissional e reavaliados frequentemente, de acordo com seu desenvolvimento na organização

Qual a melhor maneira de um colaborador atingir a alta performance? Como saber o que a empresa espera dele, se está no caminho certo, se seus planos estão de acordo com os planos de seu empregador? E como realizar atividades com excelência, mantendo o engajamento e o interesse por sua função, pelo negócio e pela organização? A resposta para todas essas perguntas é bastante simples: a partir da definição de metas e objetivos (inclusive educacionais) detalhados.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

e-Learning: um bom investimento para a sua organização

As mesmas tecnologias podem automatizar e racionalizar uma série de processos de aprendizado, reduzindo ou eliminando ineficiências e evitando custos para a empresa

Depois do crescimento das universidades corporativas, físicas e com aulas presenciais, na década de 1990, foi a vez do Ensino a Distância (EaD) ganhar espaço no mercado de trabalho. Com a internet e o desenvolvimento de novas tecnologias, o e-Learning possibilitou às instituições e seus colaboradores mais flexibilidade, facilidade e rapidez no processo de capacitação e desenvolvimento. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

e-Learning: como criar cursos com uma abordagem pessoal

Saiba como desenvolver propostas de e-Learning com enfoque em necessidades e metas pessoais (centradas em um colaborador), mesmo trabalhando para um grande número de pessoas

Independentemente do tema de seu e-Learning, do objetivo a ser atingido e dos recursos que você irá utilizar para capacitar o time de colaboradores, o aprendizado deve ser uma jornada pessoal. Destacamos essa ideia no post "O que os colaboradores esperam dos games", ou seja, o conceito de que é possível que diferentes pessoas participem do mesmo jogo ou da mesma atividade de capacitação, porém, cada uma buscando seu próprio caminho para lidar com metas e desafios, de acordo com suas habilidades e desejos de superação; e reforçamos a mensagem no texto de hoje. Boa leitura!



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Jogos instrucionais: inovação para seus treinamentos

Ao utilizar jogos e simulações como parte de sua estratégia educacional, a empresa investe em métodos muito mais prazerosos e engajadores para seus colaboradores atingirem metas e objetivos

Os jogos instrucionais propõem às pessoas a emoção do desafio, do conflito, da busca por novos caminhos para solucionar questões. As etapas e metas fazem com que elas experimentem uma nova maneira de aprender, explorando o sistema a fim de vencê-lo. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Alta Performance: invista no fortalecimento da cultura empresarial

Estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir na cultura empresarial

Na semana passada, tivemos um post sobre treinamentos e conexões globais, que tratou da preocupação das instituições em capacitar seus colaboradores estruturando uma estratégia de treinamento ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais (idioma, costumes, legislação e outras particularidades) e às necessidades do time. 

No texto de hoje, reforçamos a ideia de que estruturar uma estratégia global de treinamento significa também investir (muito) na cultura empresarial. Para exemplificar, usamos uma citação de Marc Rosenberg na obra Além do e-Learning, abordagens e tecnologias para a melhoria do conhecimento, do aprendizado e do desempenho organizacional




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Como criar treinamentos e conexões globais

Os gestores responsáveis por desenvolvimento humano devem pensar em uma estratégia que esteja ligada à cultura empresarial, à cultura dos profissionais e as necessidades do time

Com profissionais distribuídos por todas as partes do mundo, é cada vez maior o número de companhias que investem em novas formas de treinamento e capacitação para o time de colaboradores. 

Tal fato já é inclusive demonstrado por instituições especializadas em análise de mercado, como a associação de negócios e pesquisa global The Conference Board. De acordo com Charles Mitchell, diretor-executivo de conteúdo de conhecimento e qualidade da entidade, o levantamento CEO’s Top Challenges 2015, realizado com cerca de mil líderes corporativos em todo o mundo, indicou que a atenção dos executivos está voltada para as habilidades e competências dos colaboradores (desenvolvimento e capacitação), além do engajamento e, claro, a questão da inovação.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

BIG DATA making a BIG DIFFERENCE

Tendências: Aprendizado e Alta Performance
Dados fazem uma grande diferença

Em um de meus posts sobre as tendências do aprendizado corporativo, já comentei o quão difícil é para os CLOs e gerentes de Capacitação, Treinamento ou RH justificarem para suas empresas os investimentos realizados na área de Aprendizado com dados de ganho de produtividade, qualidade ou redução de custos. Até mesmo como consequência, o tema BIG DATA vem tomando conta das mídias e das análises de tendência desse setor. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

e-Learning: como engajar baby boomers II

Uma estratégia para tornar o e-Learning bem mais atrativo aos boomers

Dando sequência ao post sobre como usar a tecnologia para criar um e-Learning que seja mais atraente aos boomers, destacamos novas dicas de como estruturar seus treinamentos. Confira!



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

e-Learning: como engajar baby boomers

Uma estratégia de e-Learning interessante e adequada para os diferentes tipos de colaboradores

Se as novas gerações já nascem totalmente “ambientadas” às tecnologias, os Baby Boomers são recém-chegados nesse campo. Por isso, alguns podem ser até mais relutantes quando convidados a participar de treinamentos online.

Assim, o desafio de muitos profissionais de treinamento é descobrir como usar a tecnologia para atrair esse público, fazendo os Boomers se sentirem mais confortáveis diante de algumas mudanças, como novos sistemas, mídias e formas de trocar o conhecimento. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+