Questão de tempo

Como é calculada a duração de um curso em formato e-Learning

Alguns gestores não se atentam a esse detalhe, mas além da preocupação com o conteúdo e com o processo de aprendizado, o tempo é um elemento importantíssimo para a elaboração de um curso em formato e-Learning. Isso porque com a estimativa do período usado para capacitação, temos uma ideia do tempo que o colaborador deixará de investir em suas atividades de trabalho. Para que não haja prejuízos, pressão ou, até o contrário, momentos ociosos que desestimulem o colaborador, esse tempo de “parada” deve ser bem avaliado.

Quando um curso e-Learning é criado com materiais de aprendizagem anteriormente usados em sala de aula tradicional, de forma geral – e, obviamente, dependendo das atividades e temas propostos – o tempo que o colaborador demorará para realizá-lo poderá ser reduzido em até 50%. 

Entretanto é preciso atenção às atividades que estão sendo propostas aos participantes. Quando há módulos baseados em textos, a duração do curso pode ser menor, uma vez que os alunos leem mais rápido do que alguém que está falando em uma conferência em vídeo. Ainda assim, é importante lembrar que o que determina a natureza das atividades de e-Learning é a necessidade do aluno. Por exemplo, no caso de colaboradores sendo treinados para novas práticas de montagem em uma indústria automobilística, além das apostilas para consulta, indica-se um curso que apresente o conteúdo com interatividades e simulações. 

O tempo que o aprendiz irá precisar para pensar, relacionar temas e informações também deve ser considerado e vale lembrar que a velocidade de aprendizado é diferente de aluno para aluno. Enquanto um colaborador pode concluir um curso em trinta minutos, outro pode levar uma hora. Para conseguir um parâmetro ao trabalhar com grupos, busque indivíduos com similaridades, mesmo foco, seja ele, área profissional, formação ou até faixa etária. Na criação de cursos para colaboradores da geração X e jovens profissionais da geração Y, por exemplo, dos recursos ao período de execução e conclusão, tudo deve ser pensado de forma diferente.

Mesmo com tantas especificidades, não é preciso bitolar-se por causa do tempo. É importante estar aberto para mudanças no cronograma, atividades adicionais, materiais que possam ser integrados ou retirados do curso. Com essas ideias em mente, agora você já sabe como cada elemento deve estar integrado para que seus colaboradores possam tirar o melhor proveito do curso em formato e-Learning. 

Se deseja mais informações sobre implementação e gestão do e-Learning, confira as soluções da MicroPower e pratique alta performance!
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter
Loading