Capacitação é a chave para indústria farmacêutica

Treinamento para indústria Farmacêutica
Cursos on-line reduzem o lapso de tempo entre o lançamento de novos produtos e o treinamento da equipe de vendas
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

O Papel e os Desafios do RH

Alguns pontos são fundamentais para se alcançar uma cultura de Alta Performance 
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Participe da 2º pesquisa global sobre Gestão de Talentos, realizada pela MicroPower em conjunto com a ABRH-Brasil

Está no ar a segunda edição da pesquisa global sobre Gestão de Talentos, realizada pela MicroPower e Institute for Learning & Performance Brasil em conjunto com a ABRH-Brasil, com o apoio da World Federation of People Management Associations (WFPMA) e Evonik. 
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Como criar learner personas

Ofertas mais adequadas e customizadas para cada colaborador garantem melhores resultados

Recentemente, falamos sobre adaptar o conceito do marketing que trata da identificação de buyer personas no campo da educação. Hoje, vamos esclarecer a ideia com alguns exemplos. Confira!



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Perguntas para direcionar o e-Learning

Será que suas questões têm como foco o que realmente importa – o colaborador?

Designers instrucionais ou gestores de treinamento devem se perguntar uma série de questões quando estão “desenhando” atividades de e-Learning. Mas há maneiras e maneiras de fazer essas perguntas. Será que suas questões têm como foco o que realmente importa – o colaborador?



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Microlearning: como criar cursos curtos, porém efetivos – parte 2

Estratégias para desenvolver um microlearning de valor para os colaboradores

No post anterior, citamos três práticas que ajudarão a transformar seu “curso mais ou menos” em um microlearning impactante e efetivo – organização por storyboard, redução de texto e transmissão de conhecimento na medida certa. Hoje, temos três novas dicas. Confira!



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Microlearning: como criar cursos curtos, porém efetivos

Estratégias para desenvolver um microlearning de valor para os colaboradores

Mesmo com as organizações adotando cada vez mais o microlearning, ainda há pessoas com dúvidas sobre a efetividade das pílulas de conhecimento.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

O e-Learning que seus colaboradores irão amar

Para elaborar um projeto de e-Learning, é preciso mais do que conhecer o público-alvo e compreender sua necessidade

Em tempos de rápida e ininterrupta conexão, é essencial elaborar experiências de aprendizagem digitais que as pessoas simplesmente adorem consumir – práticas, fluídas e envolventes. Mas atenção: criar um fluxo educacional intuitivo exige a implantação de um poderoso sistema de gestão do aprendizado, para que suas funcionalidades sejam aliadas às melhores práticas para o uso do e-Learning.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Não basta implementar, é preciso aprimorar o e-Learning

Para ampliar a adoção do e-Learning, aumente sua utilidade

O sucesso de um projeto de e-Learning depende de uma análise rigorosa da empresa e de seus objetivos, bem como do perfil de seus colaboradores. Além disso, são necessários investimentos e ações para desenvolver uma cultura de aprendizado e aumentar a utilidade da ferramenta, demonstrando as vantagens da aplicação no dia a dia do negócio. Nesse processo, alguns elementos são essenciais. Confira quais são eles!



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Popularize o podcast em sua organização

Ferramenta prática e efetiva, o podcast conquistou o campo da educação corporativa

Excelentes para complementar material textual, apresentar orientações preparatórias, narrar o passo a passo de processos, estudar diferentes idiomas e tópicos, entre outras utilidades, os podcasts estão entre as soluções educacionais preferidas dos colaboradores.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
MicroPower | Jovens talentos: iniciativas que valem como experiência profissional

Jovens talentos: iniciativas que valem como experiência profissional

Como começar a busca por um emprego de forma assertiva

Com tanta concorrência, entrar no mercado de trabalho pode ser um pouco complicado para jovens talentos que não possuem alguma experiência. Mas a boa notícia é que muitas empresas estão se abrindo para a oportunidade de agregar ao seu time novos colaboradores que, além de ter “habilidades natas” para lidar com a tecnologia, conseguem adaptar-se facilmente diante de mudanças e trazer inovação ao ambiente e aos negócios, características das novas gerações.

Se você tem pouca (ou nada) experiência profissional e deseja saber como começar a busca por um emprego bacana de forma assertiva, confira as dicas que selecionamos para ajudá-lo e mãos à obra!

Capacite-se e destaque seu currículo
Saiba exatamente para qual vaga está se candidatando e prepare seu currículo para participar da seleção. No campo objetivo, inclua o cargo ou a área para qual deseja enviar seu currículo. Além disso, estruture o material de acordo com a posição em aberto. É fundamental mencionar cursos e atividades extracurriculares, desde que tenham relação com as atividades que você deseja executar. Por exemplo, se tem como meta entrar no departamento de marketing ou comunicação de uma organização, invista em cursos relacionados às ações que realizará nessas áreas. Se seu foco for mídias sociais, cursos de inovação e criatividade em mídias digitais serão extremamente atrativos aos olhos dos selecionadores. 

Cursos de língua estrangeira e intercâmbios também contam como diferenciais, pois são válidos pelo desenvolvimento comportamental e também pelo cultural. Falar uma segunda língua pode, inclusive, abrir portas para ações internacionais e para efetivações a curto prazo. Portanto, se você tem ou teve a oportunidade de fazer, mencione a informação em seu currículo. 

Atividades em organizações sociais ou estágios anteriores também merecem destaque, mesmo que tenham sido experiências breves (atividades realizadas durante as férias). Exponha no currículo todas as tarefas realizadas e contribuições que possam agregar às atribuições do cargo pleiteado. Por exemplo: se você visa a área comercial de uma empresa e já realizou atendimento ao cliente, citar a experiência pode ser uma iniciativa bastante válida. Ter dado aulas de informática para pessoas da terceira idade, pode contar pontos ao disputar uma vaga na área de suporte e tecnologia. 

Proatividade e interesse 
A atitude na entrevista de emprego também conta muito. Quando o jovem profissional se comunica bem, consegue levar para a entrevista exemplos reais do que foi mencionado no currículo, manifesta proatividade e interesse pela organização, ele também demonstra ao selecionador maturidade para entrar na organização e interesse para continuar seu desenvolvimento. 

Antes da entrevista, pesquise o histórico da empresa no próprio site e na imprensa. Entenda o momento do setor, quais as possibilidades de crescimento. Isso o deixará mais seguro para fazer comentários pertinentes no momento da entrevista e demonstrará sua desenvoltura e interesse pelo grupo.

Amplie a rede de relacionamentos
Grande parte das pessoas consegue emprego por indicação de um conhecido. Isso acontece porque, no geral, o contratante inicialmente busca alguém próximo, no primeiro ou segundo nível de relacionamentos, para assumir a vaga. Se nenhum profissional no perfil é encontrado pela rede, aí então ele recorre ao RH. Assim, se você puder estar em contato com essas pessoas antes mesmo delas terem a necessidade da contratação, terá grande chance de ser lembrado quando surgirem oportunidades futuras.

O LinkedIn é uma ferramenta poderosíssima para fazer o primeiro contato e manter o relacionamento com selecionadores e contratantes, além dos colegas de classe, professores e contratantes anteriores (se você tiver). Nosso post sobre networking pode ajudá-lo ainda mais, veja. Pelo LinkedIn, você também consegue ver o currículo dessas pessoas que foram selecionadas para a empresa e a posição que você tem interesse (que tipo de formação e experiência possuem) e, assim, ter isso como base para estruturar sua carreira.

Por isso, mantenha sua conta atualizada e interaja. Fique de olho nas novidades, compartilhe, divulgue informações. Aproveite também o espaço de sua página para divulgar artigos, projetos interessantes que não cabem em seu currículo e seus trabalhos iniciais – crie um portfólio informal, com demandas solicitadas por seu cliente ou contratante mais exigente (você); comece a fazer o tipo de conteúdo que você produziria se fosse contratado por uma empresa. 

Tenha o mesmo cuidado do LinkedIn com suas outras redes (Facebook, Twitter, Instagram). Assim, quando o selecionador for consultar seus perfis, ele vai conseguir formar uma imagem condizente com o que traz seu currículo e com aquilo que você provavelmente levará para a entrevista – suas vivências e também as competências que serão aprimoradas em sua trajetória profissional e pessoal.
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados