O impacto das múltiplas inteligências no e-Learning

Estratégias e técnicas específicas podem ser a resposta para o sucesso de seus treinamentos

Você já ouviu falar da Teoria das Inteligências Múltiplas? Formulada pelo psicólogo norte-americano Howard Gardner na década de 1980, essa teoria causou um grande impacto na área educacional. 

De acordo com o estudioso, além das habilidades linguística e lógico-matemática, há outras seis formas de inteligência: espacial (interpretação e reconhecimento de fenômenos que envolvem movimentos e posicionamento de objetos), corporal-cinestésica (grande capacidade de utilizar o corpo para se expressar ou em atividades artísticas e esportivas); interpessoal (representada pela capacidade de compreensão dos sentimentos do outro); intrapessoal (expressa pelo autoconhecimento); naturalística (voltada para a análise e compreensão dos fenômenos da natureza) e musical. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Fui promovido a líder, e agora?

Como assumir a liderança com o pé direito

Você trabalhou duro, sugeriu ideias, lidou com frustrações, capacitou-se e agora surge a tão esperada promoção. Sua nova posição: líder. A princípio, uma vontade de gritar para todo mundo do escritório, da rua, do mundo que você conseguiu conquistar essa vitória após anos de trabalho perseverante. Mas no primeiro dia na nova função essa sensação dá lado à ansiedade. Surge a dúvida: "Será que vai ser possível dar conta de um time, das tarefas e das responsabilidades?".



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

O perfil multidisciplinar do gestor de educação corporativa

Competências técnicas e comportamentais desse profissional comprometido com o desenvolvimento de pessoas

Com as empresas cada vez mais interessadas em garantir a alta performance de seus colaboradores, o gestor de educação corporativa passou a ter destaque no mercado, principalmente, entre os grupos que investem em sistemas de capacitação – micro, pequenas e grandes instituições de setores variados, como saúde, varejo, tecnologia, finanças, serviços e, inclusive, governo. 

Entendimento do negócio e da cultura organizacional, criatividade, gosto por compartilhar conhecimento são alguns dos atributos que devem estar presentes no perfil de um gestor de educação corporativa. Destacamos outras competências técnicas e comportamentais desse profissional comprometido com o desenvolvimento de pessoas. Confira!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Explore as possibilidades de sua carreira

Mudanças dependem de curiosidade e dedicação individual

Engana-se quem acredita que a responsabilidade pela carreira é de sua empresa ou do mercado em que atua. “Fui demitido por conta da economia que sofreu desaceleração”, “conquistei a vaga pois o gestor simpatizou comigo”, “não consegui a liderança porque não fui indicado pela diretoria”, comentários desse tipo são muito comuns e, às vezes, podem até fazer sentido. Mas o que você faz a partir de uma situação (positiva ou negativa) como qualquer uma das três citadas, isto é, se busca capacitação e indicações para uma recolocação após a demissão ou trabalha para manter-se empregado e conquistar desafios maiores em uma organização após sua contratação, tudo isso só dependerá de um elemento fundamental: você.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Regras de ouro das redes sociais para profissionais de e-Learning

Não basta criar uma série de perfis para marcar presença na rede, é preciso oferecer valor 

Independentemente se você trabalha em uma divisão de treinamento ou no setor de recursos humanos, se o seu interesse é melhorar a performance do time de colaboradores, já deve ter percebido a necessidade de mergulhar nas redes sociais. 

Além de gerar material de pesquisa e ideias de projetos para novos cursos, principalmente em formato e-Learning, essas plataformas podem ser um excelente termômetro tanto para medir o impacto de seus treinamentos (se estão sendo assertivos e já geram resultados para a organização) quanto para examinar sua reputação como marca no mercado, entre funcionários, clientes e outros seguidores.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Carreira ou emprego?

Como identificar se você está acomodado com seu trabalho e conquistar uma carreira que seja fonte de realização 

Você trabalha apenas para pagar as contas e viver enquanto tira um mês de férias ou vive a alegria de fazer o gosta todos os dias? Pois grande parte das pessoas tem apenas um emprego e não uma carreira. O problema é que, em longo prazo, enxergar o trabalho apenas como forma de subsistência pode ter um impacto negativo não só para sua empresa, mas também para a sua vida. 



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cinco passos para criar um treinamento único

O que fazer para desenvolver algo diferenciado e fisgar a atenção de seus colaboradores

Assumir o modo “linha de produção” na criação de treinamentos pode acontecer com qualquer um por conta das muitas demandas, da correria do dia a dia e até da falta de estrutura. Pode, mas não deve. Um conteúdo desinteressante fará com que o seu pessoal perca foco, tempo e não assimile as ideias propostas.

Por isso a importância de contar com uma boa equipe de tecnologia e de conteúdo, afinal, para que seus colaboradores apliquem o conhecimento adquirido em suas atividades diárias, eles precisam antes entender e relacionar os conceitos à realidade. Sabe como conseguir isso? Unindo interatividade à criatividade. Confira o passo a passo!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Trabalhe sua inteligência emocional

Com exercícios diários de reflexão é possível desenvolver essa habilidade que pode ajudá-lo a conquistar grandes objetivos

Você provavelmente já ouviu alguém dizer “o problema é que ele (a) não tem inteligência emocional” ou o oposto “a inteligência emocional o (a) levou a conquistar a promoção”, fez cara de que estava entendendo tudo (e, pelo contexto, até entendeu a ideia), mas ficou curioso para saber como funciona essa tal de inteligência emocional.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Você realmente sabe engajar?

Engajamento não é motivação e depende muito mais de um processo cognitivo do que emocional

Cancelamento ou adiamento de projetos estratégicos, falta de propostas de inovação, queda no padrão de qualidade de serviços e produtos: a escassez de talentos pode causar impactos significativos nas organizações. Por conta disso, é crescente a preocupação dos gestores para propor atrativos e, assim, além de reter, motivar seus colaboradores de destaque.

Contratação de palestrantes motivacionais, bônus e prêmios como viagens são algumas das estratégias utilizadas, mas o que os gestores não têm percebido é que engajamento não é motivação. “A motivação da sexta não resolve os problemas da segunda e da terça”, comenta Eduardo Carmello, diretor da consultoria Entheusiasmos, especializada em geração de valor através de orientação, incentivo e capacitação do capital humano nas organizações.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Organize seu dia

Aplicativos que irão ajudá-lo a cumprir suas tarefas com dinamismo e praticidade

Agenda de compromissos pessoais e do trabalho cheia, pouco tempo e planejamento zero. Se está difícil organizar a vida, confira essas dicas que separamos de aplicativos para smartphones com sistemas iOS ou Android, que funcionam como verdadeiras secretárias virtuais.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
MicroPower | Como criar testes de múltipla escolha para e-Learning – parte II

Como criar testes de múltipla escolha para e-Learning – parte II

Novas dicas para elaborar suas avaliações de maneira muito mais efetiva 
 
No post Múltipla escolha, destacamos três práticas básicas para você aprimorar o desenvolvimento de seus testes. Hoje, complementamos o tema com mais três dicas de como utilizar esse método de avaliação de uma forma muito mais efetiva em seu e-Learning e, assim, conseguir de fato saber o que seus colaboradores aprenderam com o seu treinamento. Confira!

Mude a ordem das alternativas corretas
Busque não criar a mesma estrutura para as respostas. Por exemplo, intercalar uma resposta correta com a letra D entre duas corretas com letra na B ou manter as corretas sempre na alternativa A. Isso porque esse padrão é facilmente percebido pelos avaliados.

Evite a resposta “todas as alternativas”
Todos já passamos por testes que contavam com uma resposta “Todas as alternativas anteriores”. Ela quase nunca aparece, por isso quando “dá as caras” é quase certo que está correta. Para os avaliados notarem esse padrão é tão simples quanto somar 1 + 1. Portanto, se você deseja incluir mais de uma alternativa correta em seus testes, faça isso de forma clara, logo no enunciado. Forneça instruções para que seus colaboradores saibam que precisam escolher mais de uma resposta correta.

Deixe de lado "manipulações"
Criar pegadinhas com a utilização de respostas semelhantes parece tentador, principalmente, se você acredita que isso tornará o teste mais desafiador para o avaliado. No entanto, se você realmente deseja saber o nível de conhecimento de seu colaborador, é bom deixar tais artimanhas de lado. Ao tentar maquiar as alternativas, ou seja, disfarçar as erradas com o uso de palavras relacionadas ao conceito certo, você só irá confundir e frustrar os participantes de seu e-Learning; sem contar que não conseguirá ter uma ideia clara daquilo que o time conhece sobre o assunto ministrado.

Referência: Portal e-Learning Industry

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados