AnimAção no aprendizado

Vamos criar ações animadas que estejam no WhatsApp, no Facebook, nos jogos, ou seja, nas mãos e na mente do nosso público

Entre os vários desafios do desenvolvimento das pessoas está a AnimaAção, ou seja, animar as ações, dar vida aos conteúdos de forma que gere entusiasmo e engajamento no aprendizado seja presencial ou online

Antes de entrar no detalhe do assunto, vamos considerar que existem pelo menos dois níveis de empresas, as que possuem a cultura do desenvolvimento contínuo com e-Learning (muitas dessas trabalhando há aproximadamente uma década) e as que estão criando suas primeiras ações de desenvolvimento corporativo ou universidade corporativa.  

Também em função da tecnologia e do volume de informações que recebemos diariamente, é cada vez mais complexo reter a atenção e o envolvimento das pessoas em ações de treinamento, principalmente online, afinal, concorremos com WhatsApp, Facebook, Apps, Jogos, Skype, além da pressão diária por atenção seja no trabalho, em casa ou com os amigos. 

Enfim, como dizem os mineiros: vamos “animar” para o desenvolvimento pessoal, afinal é para você que criamos tantas ações, precisamos deixar de concorrer e utilizar das mesmas tecnologias e informações para sermos mais efetivos. Não podemos vencê-los, é uma transformação irreversível, então vamos nos unir a eles, interromper as ações estáticas e criar ações animadas que estejam no Whats, no Face, nos jogos, ou seja, nas mãos e na mente do nosso público.   

Nos cursos online, precisamos sair do avançar e avançar tanto para empresas que já estão cansadas desse modelo como para os entrantes, pois nosso público atual está contagiado com a velocidade da informação e da tecnologia e não aceita mais receitas prontas no modelo “eu sou o centro do conhecimento e os outros apenas ouvem”. Precisamos criar modelo contextualizado, efetivo, abrangente e colaborativo. Quem já assistiu a um desenho animado sobre um procedimento? Um teaser? Um vídeo interativo? Um whiteboarding? São apenas alguns exemplos que podem enriquecer uma ação única ou complementar outras, com objetivo de trazer a reflexão e abrir a porta para o aprendizado. 

Outra confusão comum, é relacionar interatividade com cliques na tela. Um curso com muitos cliques não é interativo, na verdade, é bem chato e cansativo, além de poder gerar uma tendinite, mas isso é assunto para outro post. Fica a dica InterAção! 

Enfim, a AnimaAção deve agregar ao conteúdo e deve ser mais abrangente, eu posso ter uma ação de desenvolvimento que começa com um teaser, seguida por um curso ou vídeo, realizo um jogo de competição com meus colegas de trabalho e ainda respondo um quiz pelo celular sobre tudo o que aprendi para fixar o conhecimento. 

Não vamos chegar a um lugar diferente se continuarmos com as mesmas ações e pessoas diferentes exigem tratamentos diferentes, precisamos dar vida para nossas ações de aprendizado, precisamos de mais AnimaAção!

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Loading