A diferença entre e-Learning e Mobile Learning

Conheça as características dos dois formatos e delimite a estratégia de aprendizagem de sua organização

Há tempos o aprendizado conquistou mobilidade, deixando de ficar entre as paredes da sala de aula para ganhar ruas, parques e avenidas. Brincadeiras à parte, hoje é possível aprender usando dispositivos móveis em qualquer lugar e horário, o que resulta em:

  • Flexibilidade para usuário e empresa;
  • Mais economia para o negócio, poupado de gastos com viagens e estrutura para treinamentos;
  • Produtividade no trabalho através de interações on the job;
  • Maior número de colaboradores treinados ao mesmo tempo.
O termo e-Learning (aprendizado eletrônico) foi cunhado em 1997, a partir de uma pesquisa de Elliott Masie, e evoluiu de forma muito rápida e multiplicadora, passando do autoe-Learning para o e-Learning presencial, aprendizado híbrido, aprendizado da web 2.0, aprendizado social (redes sociais, comunidades e mundos virtuais), móvel (e-Books, aplicativos e microblogs) até chegar ao Blended (híbrido) – combinação entre diferentes modalidades de aprendizagem e tecnologias.

Apesar de algumas vezes as expressões e-Learning e m-Learning serem usadas como sinônimos, os dois modos de aprendizagem diferem em alguns aspectos. Como instrutor/profissional de treinamento e aprendizagem, é seu dever conhecer os detalhes de cada um para poder criar conteúdo instrucional.

Confira as principais diferenças entre e-Learning e m-Learning e repense seus treinamentos!

1) A diferença começa pelo nome: em e-Learning, o “e” significa eletrônico, portanto, qualquer forma de aprendizado por dispositivos eletrônicos, como o computador através da internet, extranet e outros sistemas. Enquanto que o “m”, de m-Learning, equivale a qualquer forma de conhecimento que é dada usando dispositivos portáteis. Assim, o m-Learning faz parte do e-Learning, ou seja, equivale a um subconjunto do e-Learning. Mas ambos dependem da comunicação digital para ensinar e desenvolver pessoas e podem ser usados de forma complementar.

2) Dependendo de sua proposta de treinamento e conteúdo, você pode optar pelo uso do e-Learning ou do m-Learning. Quer ver? Ao ensinar assuntos e competências muito específicas, temas que exijam profundidade e bastante contextualização (como o uso de uma máquina ou as políticas da empresa), opte pelo e-Learning. Já o m-Learning deve ser usado no caso de conteúdos e ideias que suportem um processo de atividade contínua, atuando como um complemento simples e de fácil acesso. No geral, recomenda-se que o conteúdo do e-Learning tenha de 20 a 30 minutos de duração e do m-Learning, de 3 a 10 minutos, no máximo.

3) Há diferença também no design, conforme destacamos no post anterior. No caso do e-Learning, indicado para telas grandes de computadores, por exemplo, é possível incluir informações detalhadas, ter espaço para gráficos mais complexos, diferentes tipos de mídia e interatividade. Já o m-Learning, para smartphones e tablets, requer adaptação de conteúdo para tela pequena, apresenta uma ideia por tela, ícones maiores para cliques com os dedos e simples navegação. 

Interessado em criar conteúdo nos dois formatos? Então entre em contato com a MicroPower! Oferecemos soluções sob medida, de acordo com a necessidade da empresa e dos colaboradores. Nosso aplicativo MicroPower Performa Mobile oferece acesso à grade completa de treinamentos presenciais, avaliações, testes, arquivos da biblioteca, cursos SCORM, entre outras funcionalidades.

Referência: SHIFT eLearning Blog

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados