Ferramentas de suporte ao desempenho

Coaching e mentoring apoiam as pessoas na construção e no fortalecimento de suas habilidades

O desenvolvimento profissional requer uma série de esforços que vão desde investimentos em qualificação técnica até desenvolvimento comportamental. Mas o profissional não está sozinho nessa jornada pelo aperfeiçoamento. 

As empresas inteligentes sabem que terão mais sucesso e retorno à medida que investirem em seus talentos. Assim, elas já preveem em sua estratégia de aprendizado e desempenho, o trabalho de duas ferramentas essenciais de suporte: coaching e mentoring. Confira mais detalhes a respeito de como esses métodos auxiliam a construção de uma organização de alta performance!




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Programas para acabar com a baixa performance

Soluções que ajudarão a motivar seu time de colaboradores

Apenas 13% dos profissionais são comprometidos e sentem-se engajados para a realização de atividades nas empresas em que atuam, é o que aponta o instituto de pesquisa internacional Gallup, com base em uma pesquisa realizada com colaboradores em 142 países. Em outro levantamento mais segmentado, divulgado em abril deste ano, o instituto verificou que apenas 35% das pessoas em cargos de gerência nos Estados Unidos sentem-se motivadas em seus trabalhos.

Bem abaixo do esperado pelo mercado, esses percentuais assustam a qualquer gestor de RH ou empregador, visto que, cada vez mais, as instituições preocupam-se com a realização de seus funcionários, o que inclui, o prazer em praticar suas atividades diárias, a busca por novos desafios e o crescimento pessoal e profissional. Sem esses “requisitos”, a qualidade do trabalho pode cair, afetar outros colaboradores e, com isso, todos saem perdendo, inclusive, a empresa.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

10 razões para sua empresa investir em e-Learning


Neste artigo você encontra as 10 principais razões pelas quais você deve considerar investir em e-Learning corporativo, não importa o tamanho de sua equipe ou orçamento. Falaremos de como o e-Learning pode ajudar a reduzir os custos de treinamento e reduzir a rotatividade de funcionários.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 6: Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o sexto ponto, o Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 5: Execução


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o quinto deles, a Execução.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 4: Métricas e Indicadores bem definidos

Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o quarto deles, as Métricas e Indicadores bem definidos.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Pesquisa sobre Questões Críticas de Capital Humano


Temos a satisfação de convidá-lo(a) a participar da edição 2015 da Pesquisa sobre Questões Críticas de Capital Humano.

Este estudo visa identificar as questões relacionadas à Gestão de Pessoas que serão mais importantes para as organizações dentro do contexto de nosso país nos próximos meses e qual a eficácia das organizações ao abordá-las. 




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

MicroPower marca presença no "Learning 2014"


Entre os dias 26 e 29 de Outubro, aconteceu o evento "Learning 2014", liderado por Elliott Masie, referência Mundial no Tema Aprendizado Corporativo. Este fórum contou com mais de 1.600 participantes, sendo estes CLO (Chief Learning Officer), Diretores de DHO e líderes de RH e Capacitação de diversas empresas.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Um modelo efetivo para o Aprendizado Organizacional


Não há dúvidas que o aprendizado leva a um melhor desempenho, desde que seja efetivo. Por “efetivo” podemos entender que as pessoas aprenderam o que precisavam aprender, e que vão passar a trabalhar melhor depois do processo de aprendizado. Parece simples, mas não é.

Para aprender de fato, é necessário que as pessoas estejam motivadas para isso, o que significa que devem ter uma ideia da importância que aquele conhecimento trará para elas ou, em uma situação ideal, sentem necessidade daquele conhecimento que irão receber.




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
MicroPower | Por que investir em treinamento de liderança?

Por que investir em treinamento de liderança?

Um bom (ou mau) gestor afeta a performance de sua equipe, o que inevitavelmente é refletido nos resultados da organização

As organizações que investem em treinamentos e capacitações de liderança conseguem reter colaboradores e reduzir os custos de recrutamento e seleção. Isso porque o líder é responsável por engajar outros profissionais do time, ouvi-los e saber administrar os interesses e as potencialidades de cada um em favor do negócio.

Líderes ainda definem estratégias, criam oportunidades para grandes talentos, são responsáveis por manter a qualidade do trabalho da equipe, garantir que normas e procedimentos estejam sendo cumpridos. Dessa forma, fica evidente que treiná-los e integrá-los ao DNA do negócio é vital. Portanto, se sua empresa não direciona esforços para o desenvolvimento e a capacitação desses profissionais de peso, pode estar cometendo um grande erro. 

Um grande erro mesmo! Afinal, não é porque esses profissionais contam com excelente formação e experiência, que não devem participar de treinamentos. Por conta dessa postura corporativa, muitos líderes acabam tornando-se isolados, não conseguem ter acesso ao que realmente acontece em suas equipes e na organização e até acabam por errar na estratégia, na condução das ações e no trato com as pessoas. 

Vale lembrar que um bom (ou mau) gestor afeta a performance de seu funcionário, o que inevitavelmente é refletido nos resultados da organização. Assim, avalie a taxa de rotatividade dos funcionários em sua organização; observe como é o envolvimento dos funcionários com a cultura organizacional e como anda a reputação da empresa (no escritório e no mercado); reflita o quanto seu time está disposto a avançar/inovar; números são importantes, portanto, acompanhe os resultados.

Se suas respostas para os itens citados acima não são tão animadoras, significa que sua empresa já pode estar sentindo os efeitos da falta de uma liderança forte e eficiente. A boa notícia é que esse não é um quadro irreversível. Com uma estratégia de treinamento adequada, você pode fazer seu negócio caminhar novamente na direção correta.

No post Formando Líderes, falamos de como funciona um programa de desenvolvimento de liderança estendido, ou seja, pautado por aprendizagem pré-programa e aprendizagem pós-programa. Relembre algumas ideias do especialista Nick van Dam e tente aplicá-las em sua organização. 

Referências: eLearning Industry e 25 melhores práticas em aprendizagem e desenvolvimento de talentos, de Nick van Dam.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados