Treinamentos: quebre a rotina com jogos de enigma

Dicas para usar quebra-cabeças, palavras cruzadas, charadas, entre outros jogos, em seu e-Learning

Jogos como quebra-cabeças, palavras cruzadas, charadas e RPGs não são apenas uma diversão para o domingo em família ou um encontro de geeks. Pelo contrário, eles estimulam o cérebro e o pensamento lógico. No campo dos treinamentos, podem muito mais: aumentar a conectividade emocional, envolver o seu público, avaliar o conhecimento do colaborador e levar o e-Learning por um caminho inesperado.

Mas como é possível incorporar esse tipo de jogo em cursos no formato e-Learning de maneira eficaz? Selecionamos algumas dicas, confira!

Palavras cruzadas | Jogo ideal para testes de conhecimento e avaliação de e-Learning. Forneça aos seus colaboradores um jogo de palavras cruzadas virtual, que só poderá ser respondido com as informações ministradas durante curso. Deixe espaços em branco, certifique-se de que todas as instruções já foram dadas e deixe que o colaborador responda no seu tempo, conforme retoma leituras sobre os conceitos e relembra os conteúdos vistos em aula. É importante permitir que todos verifiquem as respostas à medida que avançam, para que possam obter feedback imediato, em vez de ter que esperar até o fim de rever todas as suas respostas.

Charadas e recompensas | Primeiro crie um enigma ou uma charada relacionada à proposta do curso. Depois, proponha aos participantes que solucionem um quebra-cabeças virtual. A cada sequência de três peças corretas (colocadas nos locais certos), será revelada uma parte importante do enigma. Ao finalizarem os módulos, ofereça aos colaboradores premiações e bonificações como recompensa. Isso estimula ainda mais o time a chegar ao fim do jogo (curso). 

Objetos interativos | Se incluir peças (ícones call-to-action) no jogo para que o colaborador clique e direcione o caminho do curso, tenha certeza de que seu e-Learning vai ficar bem mais interessante. Por exemplo: é possível criar um portal medieval ou mágico para que a audiência consiga clicar e, assim, tentar revelar um segredo (charada). A cada nova porta de entrada, mais dados sobre o conteúdo serão oferecidos. Com eles, o colaborador conseguirá galgar etapa por etapa do jogo e chegar ao desfecho. Esse tipo de desafio fará com que o jogador sinta que tem o controle da experiência nas mãos, o que é bastante estimulador, além de trabalhar questões como responsabilidade e iniciativa. 

Coletar e usar itens | Diversos jogos de aventura trabalham com esse conceito. Ao longo de sua trajetória no game, o colaborador pode ir coletando diversos objetos, que podem ser guardados em mochilas para serem usados no momento mais oportuno – como em cenários seguintes, onde os mesmos itens estão bloqueados ou em situações que necessitem o uso do objeto. Ao final, o colaborador encontra uma espécie de gráfico interativo ou quebra-cabeças com os pares ou peças-gêmeas dos itens previamente recolhidos. Se o profissional conseguir finalizar a imagem, conquista o conteúdo completo e ganha algumas posições no ranking de participantes. Para tanto, é possível criar alguns cenários específicos ou até fazer uma experiência mais imersiva e transformar todo o conteúdo do e-Learning em uma gincana educativa. Tenha como base os jogos de RPG (Role-Playing Game – jogo de interpretação de papéis), em que os próprios jogadores definem o enredo da aventura, desenvolvendo raciocínio lógico e criatividade.

Referência: Portal eLearning Industry

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Loading