Inscrições abertas para o Prêmio Learning & Performance Brasil 2016/2017

As organizações podem inscrever seus projetos até o dia 8 de abril

Estão abertas as inscrições para a edição 2016/2017 do Prêmio Learning & Performance Brasil, comemorativa de 15 anos. Até o dia 25 de abril, as organizações podem inscrever um ou mais projetos, desde que atendam aos requisitos detalhados no regulamento do prêmio.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

SCORM – Sharable Content Object Reference Model

A padronização que permite ao LMS carregar o curso e que permite ao curso ser interpretado pelo LMS é o padrão SCORM

A padronização começou na aviação, quando o e-Learning era conhecido como CBT – Computer Based Training e CMI – Computer Managed Instruction. Existiam alguns padrões como AICC, ADL, LRN, CBT, IEEE, IMS até chegarmos ao atual SCORM (cuja primeira versão foi lançada em janeiro de 2000) e suas versões.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

UCA: Universidade Corporativa Ampliada

A UCA abrange processos de desempenho e princípios de gestão, por meio da gestão de metas e competências, permitindo às organizações otimizarem a forma como cuidam de seus talentos

Muito além de um espaço físico, a universidade corporativa é um espaço educacional gerenciado por uma empresa com o objetivo de desenvolver o time de colaboradores – funcionários, clientes e fornecedores. Sua função principal é justamente proporcionar a evolução de competências técnicas e comportamentais, bem como a aquisição de novas habilidades vinculadas às necessidades e estratégias do profissional e do negócio.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Francisco Antonio Soeltl participa do Fórum Universidades Corporativas 2015

Presidente e CEO da MicroPower realiza palestra em evento promovido pela Revista T&D Inteligência Corporativa

Com a palestra Universidade Corporativa Ampliada: uma solução para integrar os subsistemas de gestão de pessoas com educação corporativa, Francisco Antonio Soeltl, presidente da MicroPower e do Instituto Learning & Performance Brasil, participa no próximo dia 6 de agosto, do Fórum Universidades Corporativas 2015, organizado pela Revista T&D Inteligência Corporativa.

Por meio de palestras e apresentação de cases, o evento pretende demonstrar como práticas e metodologias inteligentes podem contribuir positivamente com os processos de aprendizagem apoiada por tecnologia. Realizado no Centro de Convenções Milenium, no bairro da Vila Mariana, São Paulo, o fórum se propõe a promover a troca de experiências entre as empresas interessadas em aprimorar ou desenvolver programas de educação à distância.

Entre os participantes estarão executivos das áreas de Recursos Humanos, Educação Corporativa, TI e especialistas que buscam novas alternativas baseadas em tecnologia como resposta aos desafios atuais da educação corporativa.

Para saber mais a respeito do Fórum Universidades Corporativas 2015 e ter acesso à programação completa, acesse o site do evento.

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

5 motivos para implementar a gestão de desempenho


Por que as empresas devem fazer a gestão de desempenho? Listamos abaixo 5 benefícios:

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

4 motivos para se usar vídeos em treinamento


O uso de vídeo no e-Learning muitas vezes pode ter um papel importante na forma de aprender e reter informações. Estudos têm demonstrado que a aprendizagem com o auxílio do vídeo aumenta a taxa de retenção.

Como saber a hora certa de usar o vídeo para o seu treinamento? Aqui estão quatro motivos para explorar esse recurso:




Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 7: Meritocracia


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o sétimo ponto, a Meritocracia.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

10 razões para sua empresa investir em e-Learning


Neste artigo você encontra as 10 principais razões pelas quais você deve considerar investir em e-Learning corporativo, não importa o tamanho de sua equipe ou orçamento. Falaremos de como o e-Learning pode ajudar a reduzir os custos de treinamento e reduzir a rotatividade de funcionários.



Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 6: Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o sexto ponto, o Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+

Cultura de Alta Performance – Parte 5: Execução


Para atingir elevados níveis de desempenho organizacional e humano, e assim apresentar o que chamamos de Cultura de Alta Performance, uma empresa precisa estar atenta a sete pontos fundamentais:

1) Liderança
2) Alinhamento aos Valores e à Cultura Organizacional
3) Objetivos bem definidos 
4) Métricas e Indicadores bem definidos
5) Execução
6) Planejamento e Capacitação da Força de Trabalho
7) Meritocracia

Neste artigo abordaremos o quinto deles, a Execução.





Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
MicroPower | Treinamentos: quebre a rotina com jogos de enigma

Treinamentos: quebre a rotina com jogos de enigma

Dicas para usar quebra-cabeças, palavras cruzadas, charadas, entre outros jogos, em seu e-Learning

Jogos como quebra-cabeças, palavras cruzadas, charadas e RPGs não são apenas uma diversão para o domingo em família ou um encontro de geeks. Pelo contrário, eles estimulam o cérebro e o pensamento lógico. No campo dos treinamentos, podem muito mais: aumentar a conectividade emocional, envolver o seu público, avaliar o conhecimento do colaborador e levar o e-Learning por um caminho inesperado.

Mas como é possível incorporar esse tipo de jogo em cursos no formato e-Learning de maneira eficaz? Selecionamos algumas dicas, confira!

Palavras cruzadas | Jogo ideal para testes de conhecimento e avaliação de e-Learning. Forneça aos seus colaboradores um jogo de palavras cruzadas virtual, que só poderá ser respondido com as informações ministradas durante curso. Deixe espaços em branco, certifique-se de que todas as instruções já foram dadas e deixe que o colaborador responda no seu tempo, conforme retoma leituras sobre os conceitos e relembra os conteúdos vistos em aula. É importante permitir que todos verifiquem as respostas à medida que avançam, para que possam obter feedback imediato, em vez de ter que esperar até o fim de rever todas as suas respostas.

Charadas e recompensas | Primeiro crie um enigma ou uma charada relacionada à proposta do curso. Depois, proponha aos participantes que solucionem um quebra-cabeças virtual. A cada sequência de três peças corretas (colocadas nos locais certos), será revelada uma parte importante do enigma. Ao finalizarem os módulos, ofereça aos colaboradores premiações e bonificações como recompensa. Isso estimula ainda mais o time a chegar ao fim do jogo (curso). 

Objetos interativos | Se incluir peças (ícones call-to-action) no jogo para que o colaborador clique e direcione o caminho do curso, tenha certeza de que seu e-Learning vai ficar bem mais interessante. Por exemplo: é possível criar um portal medieval ou mágico para que a audiência consiga clicar e, assim, tentar revelar um segredo (charada). A cada nova porta de entrada, mais dados sobre o conteúdo serão oferecidos. Com eles, o colaborador conseguirá galgar etapa por etapa do jogo e chegar ao desfecho. Esse tipo de desafio fará com que o jogador sinta que tem o controle da experiência nas mãos, o que é bastante estimulador, além de trabalhar questões como responsabilidade e iniciativa. 

Coletar e usar itens | Diversos jogos de aventura trabalham com esse conceito. Ao longo de sua trajetória no game, o colaborador pode ir coletando diversos objetos, que podem ser guardados em mochilas para serem usados no momento mais oportuno – como em cenários seguintes, onde os mesmos itens estão bloqueados ou em situações que necessitem o uso do objeto. Ao final, o colaborador encontra uma espécie de gráfico interativo ou quebra-cabeças com os pares ou peças-gêmeas dos itens previamente recolhidos. Se o profissional conseguir finalizar a imagem, conquista o conteúdo completo e ganha algumas posições no ranking de participantes. Para tanto, é possível criar alguns cenários específicos ou até fazer uma experiência mais imersiva e transformar todo o conteúdo do e-Learning em uma gincana educativa. Tenha como base os jogos de RPG (Role-Playing Game – jogo de interpretação de papéis), em que os próprios jogadores definem o enredo da aventura, desenvolvendo raciocínio lógico e criatividade.

Referência: Portal eLearning Industry

Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados