2018, o ano da produtividade

Executar bem o planejamento do ano que vem pode ser a chave para aproveitar a recuperação econômica que já se anuncia

Após dois anos de uma de suas piores crises, a economia brasileira já dá sinais consistentes de que 2018 e 2019 serão anos de crescimento. A taxa Selic é a menor da história, a inflação está sob controle, o desemprego cai mês após mês e os níveis de atividade da indústria, da construção civil e do comércio mostram uma recuperação constante do consumo. Tudo isso fez com que a ONU revisse para cima as projeções de crescimento do País em 2018, de 1,6% para 2,0%.

Em meio a essa volta da onda otimista, como ficam as empresas, que veem no investimento direto uma oportunidade de retorno mais vantajosa do que aplicações atreladas a uma taxa de juros declinante? E como executar bem o planejamento estratégico elaborado para o próximo ano aproveitando ao máximo a recuperação econômica e, de quebra, melhorando a competitividade da empresa? 

Uma das melhores soluções é contar com boas metodologias e sistemas de gestão capazes de acompanhar a execução do planejamento e, com isso, extrair o melhor da força de trabalho. Ferramentas que definem o que deve ser feito, de acordo com o que foi estabelecido no planejamento estratégico e que permitem acompanhar de perto o “como deve ser feito”.

“Muitas empresas tiveram de demitir pessoas durante a crise e, agora, ou estão recontratando as mesmas pessoas ou recrutando gente nova. Nos dois casos, é preciso estar com a estrutura preparada. Essas pessoas só vão produzir bem, se tiverem um mínimo de adequação: orientação de acordo com os objetivos, treinamento, capacitação e as definições do que elas têm que fazer e como têm que fazer”, afirma Augusto Gaspar, diretor de negócios da MicroPower, especialista em Administração de Empresas e RH: “Se a empresa tiver a máquina azeitada, com as pessoas sabendo o que têm que fazer e bem treinadas, ela vai conseguir aproveitar essa retomada de uma maneira muito melhor”.

Gaspar recomenda a utilização de um bom sistema com metodologias adequadas para melhorar a produtividade da empresa por meio da gestão de metas/objetivos, capacitação, avaliações de desempenho e remuneração por resultados. A MicroPower possui duas dessas ferramentas – o MicroPower Performa e o MaxiProfit – capazes de acompanhar o planejamento de uma empresa com foco em resultados para alcançar o melhor desempenho possível.

Performa
Inspirado no conceito da Universidade Corporativa Ampliada, o MicroPower Performa funciona por meio do desdobramento dos objetivos macro da companhia – como obter receitas de R$ 100 milhões em um ano, por exemplo – até as áreas (Produção e no Marketing) e as metas de cada um individualmente dentro da empresa, de um jeito que faça sentido para o profissional. “Essas soluções gerenciam treinamento e capacitação com base em competências e na gestão das metas e objetivos da empresa e das pessoas, para deixar claro o que cada um tem que fazer”, diz Gaspar.

Tudo começa por desenhar a própria estrutura da empresa. Depois, o sistema é alimentado com as metas e objetivos da companhia que, por sua vez, serão desdobrados pela estrutura. O passo seguinte é mapear as competências necessárias para que o trabalho seja executado. Em seguida, essas necessidades são comparadas com as competências que as pessoas da empresa possuem. “Essa diferença já dá a necessidade de treinamento e desenvolvimento para que as pessoas atinjam o nível de competência adequado para executar bem a função. É preciso definir o que esperar de cada um, da área, e como acompanhar o desenvolvimento dessas pessoas”, explica Gaspar. 

O Performa acompanha o cumprimento das metas dia a dia, gerenciando todo o processo, fazendo a gestão por objetivos, a avaliação de desempenho, a gestão por competências, a gestão do aprendizado e subsidiando os processo de carreira e sucessão e os sistemas que calculam a remuneração variável em função da contribuição individual para os resultados globais. 

Respostas rápidas
Empresas que trabalham com ferramentas como o Performa já partem de um patamar mais avançado na hora de aproveitar a retomada da economia. Sem esse trabalho, elas podem demorar muito para aproveitar a retomada, já que o tempo de aceleração torna-se muito grande.

Se ela estiver recontratando antigos funcionários, por exemplo, o histórico dessas pessoas pode ser facilmente recuperado e dar continuidade ao processo de capacitação. “O planejamento da empresa tem que envolver o desenvolvimento das pessoas, para que, na hora que eu traga de volta ou contrate gente nova, eu tenha capacidade de rapidamente colocar essas pessoas trabalhando, produtivas”, explica Gaspar.

Já a contratação de uma pessoa nova vai exigir um processo tradicional de avaliação, seguido de um trabalho de orientação e capacitação, que já se encontra disponível na plataforma do Performa – seja em treinamentos formais, trilha de conhecimento, manuais, procedimentos, dicas ou vídeos para que as pessoas trabalhem melhor.

Grupo Martins aumenta eficiência
O comprometimento com as metas individuais e globais da companhia aliado à gestão do aprendizado corporativo que uma ferramenta como o Performa proporciona é capaz de fazer uma diferença significativa nos resultados da empresa. Como prova o Grupo Martins, líder do segmento atacadista-distribuidor brasileiro e integrador da cadeia de consumo, com abrangência nacional e mais de 4 mil colaboradores.

Fundado há 62 anos, o Martins decidiu, em 2013, potencializar o seu modelo de gestão de pessoas com a implementação dos módulos de Performance do MicroPower Performa apoiados pelas equipes de Soluções Tecnológicas e Desenvolvimento. A automatização do acompanhamento dos indicadores e metas e a integração ao processo de avaliação por competências do Performa conferiu consistência aos processos de gestão de pessoas para os mais de 800 líderes do grupo.

O resultado foi uma maior assertividade no acompanhamento de metas e uma maior agilidade na identificação, desvios e definição de planos de ação corretivos. O Martins colheu também um maior engajamento no modelo de gestão de pessoas e o consequente aumento no alinhamento dos colaboradores com as metas estratégicas, coletivas e individuais, de 67%, em 2014, para 85%, em 2016. Com isso, o índice de eficiência do Martins saltou de 94%, em 2014, para 101%, em 2016, atingindo a alta performance esperada.

“Um dos diferenciais da MicroPower é a facilidade que temos para acesso, além da rapidez na devolução das melhorias do próprio sistema, o que vem de encontro à nossa realidade e ao nosso dinamismo que acompanha o setor do comércio”, diz Fabricio Alves, diretor de DHO do Grupo Martins.

RV agiliza treinamento
A preocupação com a constante capacitação de seus cerca de 1.000 funcionários espalhados em 30 escritórios por todo o país levou a RV Tecnologia a trilhar o mesmo caminho. A rede de transações eletrônicas e venda de serviços pré-pagos tem metas que dependem de soluções integradas que fortaleçam e potencializem o desenvolvimento de um público interno maioritariamente composto por vendedores. Além disso, necessitavam de uma plataforma que incorporasse os processos de gestão estratégica de pessoas agilizando, automatizando tarefas e contribuindo para o sucesso dos negócios. E tudo em um ambiente seguro de modo a aumentar a assertividade das demandas diárias do setor. 

Por meio de uma solução que combinou o MicroPower Performa e o Microsoft Azure foi apresentado um conceito inovador – o Portal Gente – que permite a utilização de diversos portais e múltiplos domínios e mantém os dados protegidos em um serviço de nuvem confiável mundial da Microsoft. Assim, a RV pode segmentar o ambiente de aprendizagem e gestão por critérios variáveis, de acordo com as necessidades e objetivos da empresa.

O Portal Gente integra todas as informações ligadas às ações de treinamentos, relatórios, avaliações de competência, desempenho e liderança. Por meio desse espaço virtual é possível manter uma cultura de desdobramento de metas e acompanhamento individualizado de cada objetivo, de maneira otimizada, ágil e segura. 

MaxiProfit
O MaxiProfit também funciona desdobrando os objetivos macro da companhia até as áreas e as metas individuais de cada colaborador, de maneira a encaixá-lo nas metas globais da empresa, mas a ferramenta é mais indicada para empresas que não possuem suas metodologias de gestão de metas e desempenho. Além disso, é voltado para companhias mais maduras e que estejam prontas para passar por um processo de definições de metas sob medida. 

O trabalho de consultoria e profunda imersão do MaxiProfit é um processo longo que aponta os objetivos macro capazes de causar maior impacto nos seus resultados. “O MaxiProfit exige que a empresa esteja em um estágio mais maduro de desenvolvimento, pois gera um impacto considerável na cultura na empresa”, afirma Gaspar. 

Uma vez instalado, o MaxiProfit acompanha todas as metas no dia a dia da empresa ainda oferece  uma metodologia própria desenvolvida exclusivamente para calcular a remuneração variável de cada colaborador, em função da sua contribuição para os resultados globais. 
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Facebook Google+ Twitter
Loading