Liberdade e autonomia para aprender

Estúdio de Conteúdos da MicroPower inova ao oferecer novos formatos alinhados com as tendências internacionais de e-Learning

Antecipando-se a uma tendência mundial do e-Learning em empresas – de dar cada vez mais liberdade e autonomia ao profissional no processo de aprendizagem – a MicroPower está modernizando e aprimorando as soluções educacionais oferecidas ao mercado brasileiro através de seu Estúdio de Conteúdos. A nova gama de produtos desse portfólio oferece mais variedades e novas possibilidades de formatos.

O objetivo da ampliação é trazer soluções novas para os Clientes, já que a própria atividade de ajudar na formação dos profissionais e mapear suas demandas acaba por revelar gaps que podem ser resolvidos com objetos diferentes e inovadores. 

“Nosso Estúdio de Conteúdos está passando por uma revitalização do portfólio com uma série de novidades, todas baseadas na metodologia educacional exclusiva desenvolvida pela MicroPower, o CHACAP”, explica Rosana Rodrigues Camara, coordenadora de Operações para Soluções Educacionais da MicroPower.

Rosana conta que a ideia é contribuir para o amadurecimento do mercado brasileiro de e-Learning, pois, no exterior, há uma tendência pela adoção de objetos educacionais em formatos mais amigáveis, que dão mais liberdade ao profissional, respeitando o seu nível de conhecimento. “Lá encontramos as empresas mais preocupadas com os gaps das pessoas e se os cursos estão de fato ensinando ou não. Aqui, ainda estamos um pouco presos à lógica do relatório, uma cultura de contabilizar quantas pessoas fizeram os cursos e quantas foram aprovadas, sem a real importância com a efetividade do aprendizado de cada indivíduo.”, afirma Rosana.


Mas a realidade brasileira está mudando lentamente e já se percebe um movimento para buscar soluções mais flexíveis. Algumas empresas estão fazendo isso e com resultados interessantes, sobretudo Clientes da MicroPower – a única empresa de e-Learning do mercado que oferece cursos com essas características. É o caso do Free Way Learning, um produto exclusivo da MicroPower e que permite ao aluno total autonomia sobre o conteúdo: “Quando essa onda inovadora chegar por aqui, já temos um produto pronto para ser oferecido. Nesse aspecto, o Free Way é um produto de vanguarda”, diz Rosana. 

Reunindo todos os formatos disponíveis no portfólio do Estúdio de Conteúdos da MicroPower, o Free Way possui funcionalidades que o transformam em uma grande vitrine para todas as possibilidades em formatos de aprendizagem. Mas seus principais benefícios são a liberdade e autonomia totais para quem está aprendendo. “Hoje, 95% dos cursos disponíveis na maioria das empresas obrigam o profissional a ver todo o conteúdo desenvolvido para, só então, poder fazer a avaliação, mesmo que a pessoa já conheça boa parte do que está sendo transmitido”, diz Rosana, acrescentando que a pessoa é obrigada a ficar uma ou duas horas vendo algo que já sabe, sem autonomia nenhuma. 

No Free Way, o profissional é o responsável pelo seu aprendizado. Ele pode entrar no curso, avaliar o conteúdo e escolher o que quer ver, caso entenda que algumas partes já são do seu conhecimento. Ou pode ir direto para a avaliação e provar para a empresa que ele sabe aquele conteúdo.

Outra funcionalidade que diferencia o Free Way dos outros formatos é que, se o profissional precisa refazer um curso de duas horas todo ano, por exemplo, não é necessário repeti-lo. Rosana explica que, pelo Free Way, qualquer novidade ou mudança no conteúdo em relação ao que foi estudado na última vez que a pessoa fez o curso é exibida imediatamente, assim que o aluno entra na tela inicial: “Em vez de ver todo o conteúdo outra vez, a pessoa consegue saber exatamente o que há de novo, assistir essa parte nova e ir direto para a avaliação. Ela não precisa perder outras duas horas do que já viu e mais o conteúdo novo”. 

Como o nome mesmo diz, o Free Way é um método totalmente livre e permite que o aluno tenha total autonomia sobre o que ver e como quer ver o conteúdo dos cursos. Ele pode, por exemplo, definir temas como favoritos e, quando o curso inicia, ir direto para esses assuntos mais relevantes para ele, como uma ferramenta de suporte ao desempenho.

O Free Way Learning é indicado para aquelas empresas que querem mudar o paradigma do treinamento corporativo, passando do foco em relatórios quantitativos e conteúdos bloqueados para uma visão moderna, qualitativa, focada nas necessidades de aprendizado dos seus profissionais e se eles estão, de fato, aprendendo. 

Outro fator importante para a escolha, segundo Rosana, é o tipo de conteúdo que se quer ensinar. Alguns temas, como o Código de Ética, por exemplo, exigem que o aluno veja todos os itens do conteúdo. Outros, mais processuais, só permitem que se passe a uma nova etapa depois de vista a anterior. Para esses tipos de conteúdo, o Free Way não é indicado. “Agora, quando falamos de um conteúdo que não está interligado – um tema não depende do outro – ou de conteúdos mais técnicos, que encontra pessoas em diferentes níveis, aí o Free Way faz a diferença, porque cada um vai estudar aquilo que lhe é pertinente. Além disso, a empresa está passando a responsabilidade da aprendizagem para o aluno, tratando o profissional como um adulto”, enfatiza Rosana.


Todo o embasamento para a criação de formatos como o Free Way e outras soluções educacionais do Estúdio de Conteúdos vem de uma metodologia desenvolvida pela própria MicroPower: o CHACAP. Ela integra conceitos e teorias educacionais às ferramentas de aprendizagem mais modernas em educação corporativa, além de unir a aprendizagem ao desempenho, algo fundamental para as empresas.

Em termos conceituais, aprendizagem é algo que acontece quando um conhecimento novo chega a um indivíduo para que ele desenvolva uma habilidade, um raciocínio ou uma atitude. Mas, para que isso ocorra, segundo Rosana, é necessária uma interação entre o aprendiz e o conteúdo a ser estudado. E é aí que surge o CHACAP, reunindo os fatores objetivos do CHA (Conhecimento, Habilidades e Atitude) aos domínios mais subjetivos e comportamentais do CAP (Cognitivo, Afetivo e Prático).

Essas duas bases formam conexões: Conhecimento e Cognitivo juntam-se para formar a conexão Saber; Atitude e Afetivo formam a conexão Querer; Habilidade e Prático se ligam para formar a conexão Fazer. E são essas conexões que permitem a interação da aprendizagem com o desempenho.

“Quando elaboramos uma solução educacional para um Cliente, fazemos a análise completa da necessidade. Depois, estudamos qual a estratégia atende melhor essa demanda e, em cima dessa estratégia, qual o formato mais adequado – se um vídeo, um game, uma solução Free Way, entre outros formatos. Ao final, fazemos a avaliação dos resultados para entender o impacto dessa aprendizagem para os alunos: se eles aprenderam ou não, quais os gaps existentes etc, de modo a deixar um ciclo de ajuste e melhorias para o aprendizado contínuo daquelas pessoas.”, explica Rosana. 


Outras novidades
Foi a metodologia CHACAP que embasou a criação de novas opções e formatos em outros produtos do Estúdio de Conteúdos, como nos formatos de Animação, por exemplo: “Nossa oferta era só No estilo Whiteboard e ilustrado 2D. Agora, temos dois novos estilos, o photo animation e o motion grafics, que usam fotos e vídeos”, explica Rosana. 

Já com os produtos de Video4Performance, a MicroPower está refinando a parte de vídeos interativos e inserindo funcionalidades adicionais, como infográficos e links que podem ser clicados durante a exibição, direcionando para outros pontos do vídeo que abordam aquele tema específico, sem a necessidade de assistir o vídeo completo ou ficar procurando trechos do vídeo.

Outra novidade é uma simulação com vídeo, um game em formato de vídeo no qual o aluno vai sendo conduzido por uma ramificação de perguntas e respostas, conforme vê situações em cases. “Ele vai vendo universos construtivos de acordo com o que seleciona em cada etapa, e há uma pontuação atrelada a outros recursos como conquistas, premiação simbólica por níveis, entre outros.”, conta Rosana.

No produto Curso Customizado, agora, há o formato one page. “Ele funciona como a home page de um site, onde a pessoa rola a tela e interage com os elementos, tudo num único lugar, de maneira fluida”, explica Rosana, acrescentando que esse é um formato muito diferenciado e que proporciona ao aluno mais autonomia do que o padrão dos cursos existentes no mercado, com a velha solução que usa uma tela com as únicas opções: voltar e avançar.

Em Jogos Instrucionais, a novidade são algumas mecânicas que estão sendo desenvolvidas para servir de templates. Isso acelera a produção de conteúdos e permite a criação de uma espécie de biblioteca de mecânicas pré-configuradas, o que otimiza a produção para o cliente. “Estamos trabalhando para criar diversos tipos de estratégias de games. Isso vai facilitar no momento da produção, do prazo e do custo para o Cliente. Mesmo fazendo um conteúdo personalizado e dentro da identidade visual do Cliente, a mecânica do jogo pode seguir padrões. Se ele não precisa de um material totalmente customizado e pensado para ele, é possível fazer muito mais rápido”, diz Rosana.

E, aguarde, que vem mais novidades por aí. Aproveite e confira o leque de produtos do Estúdio de Conteúdos. 
Compartilhe esta notícia nas redes sociais:
LinkedIn Google+
Os comentários estão fechados